Gozzipi: empresa familiar frente ao mundo globalizado

Eduardo Henrique Frey, Paulo Henrique da Cruz Braz, Marcia Rohr Cruz, Pelayo Munhoz Olea, Marlete Vargas Frey, Maria Emilia Camargo
  • Revista Brasileira de Casos de Ensino em Administração, June 2015, Fundacao Getulio Vargas
  • DOI: 10.12660/gvcasosv5n1c5

What is it about?

Em meados de outubro de 2004, após ter passado por outras propostas de compra, era chegado o momento da decisão pelos quatro diretores: aceitar a proposta da multinacional concorrente, estabelecer o preço de venda da empresa, ou recusar, por mais uma vez, e seguir em frente. Eles sabiam que, agora, a concorrente estava disposta a fazer a última proposta para efetivar a compra ou concorrer agressivamente com intuito de desestabilizar e até provocar o fechamento da empresa familiar. A empresa vivia seu melhor cenário nos seus 50 anos de existência, o Brasil mantinha uma moeda estável e o mercado agrícola estava aquecido, com vendas garantidas para os próximos 12 meses. A saúde financeira era evidenciada por boa reserva de capital de giro, despesas em dia e investimentos em máquinas e capital humano, com baixo turnover e média de tempo de empresa de seus funcionários em torno de nove anos. Uma dificuldade adicional: a empresa assistia ao envelhecimento dos seus diretores fundadores que, na sua quase totalidade, não se preocuparam em preparar seus substitutos.

Read Publication

http://dx.doi.org/10.12660/gvcasosv5n1c5

The following have contributed to this page: Dr Pelayo Munhoz Olea